II Mostra Curta Pará de Cinema

PROGRAMAÇÃO CURTA PARÁ

1º Dia – 5 de Julho (Terça-feira)

MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL CURTA PARÁ

1 – ANA / Direção: Camila Camila / Bahia / 12 anos / 21 min / Doc

Ana se move em uma poética que toca as inquietações do corpo, das relações de gênero e da família. Veste-se dos relatos de cinco irmãs criadas no recôncavo da Bahia entre as décadas 1960 -1980 e da educação dada por sua mãe; minha avó, professora e psico maníaca depressiva. Um filme em mim. Indícios, fragmentos de vida que me compõem. Histórias familiares, especialmente as que identifico-me enquanto mulher. A memória é um instrumento de ficção.

2 – DOIS LADOS / Direção: Cesar Bournier / Rio de Janeiro / 16 anos / 25 min / Ficção

Trata-se da violência sexual de presos numa cela carcerária. Conta a história de Caio e Fabrício que dividem a mesma cela em uma penitenciária. Convivem numa relação baseada na violência física, sexual e psicológica. Caio deseja se livrar do domínio de Fabrício. O desejo de vingança o alimenta e lhe perturba. Seus passados são revelados, possibilitando novos caminhos.

3 – MALHA / Diretor: Paulo Roberto / Paraíba / Livre / 14 min / Doc

“E as crenças singulares traduzem essa aproximação violenta de tendências distintas…” “…saem das missas consagradas para os ágapes selvagens…” Euclides da Cunha (Os Sertões). A violenta materialização de um festejo popular, a malhação do Judas, no interior da Paraíba, onde os credos religiosos de um povo servem de pano de fundo para a entrega visceral ao escárnio profano.

4 – NUA POR DENTRO DO COURO / Direção: Lucas Sá / Maranhão / 16 anos  / 20 min / Ficção

Ela protege sua carne, mas o couro começa a cair.

5 – O NOME DO DIA / Direção: Marcello Quintella e Boynard / Rio de Janeiro / Livre / 19 min / Ficção

Uma dor profunda e silenciosa une pai e mãe na saudade do filho. Para seguir adiante, eles precisam enfrentar o sofrimento desconhecido.  O filho dizia que todos os dias tinham um nome, mas partiu sem dizer o nome do dia de sua morte.

6 – TEJO MAR / Direção: Bernard Lessa / Rio de Janeiro / 12 anos / 21 min / Ficção

“Plantados como sentinelas silenciosas por toda a cidade, pobres mortais perdidos em fantasias oceânicas.”

MOSTRA COMPETITIVA REGIONAL CURTA PARÁ

1 –  ÉDEN / Direção: Luísa Elis / Pará / Livre / 13 min / Ficção

4 personagens imersos no cotidiano de uma cidade moderna.

2 – ENCONTRO / Direção: Walquíria Mélo e Thiago de Moraes
Pará / Livre / 7 min / Ficção

Ana é mulher solitária que, ao perder a filha em um trágico acidente, decide se isolar das pessoas e do mundo. Desde então, ela chora pelos cantos de casa pela perda daquela que a chamava de Vida. Até que um dia, Ana acorda no limite da falta que a filha faz e toma uma importante decisão.

2º Dia- 6 de Julho (Quarta-feira)

MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL CURTA PARÁ

1 –  A BORDO / Direção: Davi Mello / São Paulo / 12 anos / 22 min / Ficção 

Lúcia, grávida de seu primeiro filho, está se preparando para ser mãe solteira.

2 – ENTRE NÓS / Direção: Maciel Fischer / Rio Grande do Sul / 12 anos  / 16 min / Ficção

Três pessoas, consumidas pela dor, têm seus destinos cruzados.

3 – GUTIERRES / Direção: Fernando Bassani / Rio Grande do Sul / Livre / 18 min / Doc

Fragmentos da cor, do som e do caos. Uma conversa com Pedro Gutierres.

4 – INVISÍVEL / Direção: Anna Martini / São Paulo / Livre / 10 min / Doc

O que você entende por energias e influências? O documentário Invisível busca as opiniões de várias pessoas e especialistas, percebendo as influências que cada um traz para sua própria vida e para outros. Pensamentos, palavras, ações, que moldam as crianças que aprendem com esses adultos. Ao pensar no planeta e no futuro, antes temos que olhar para dentro, no presente.

5 – ME? / Direção: Rafael Dayon / Pernambuco / Livre  / 2 min / Animação

Loboon, Dracoenix e Seanigrum, feras da noite que insistem em seguir Eve, um ser misterioso que foge desesperada entre florestas e oceanos negros dessas criaturas metamórficas.

6 – O FORASTEIRO / Direção: Diogo Cronemberger / Piauí / 25 min / Ficção

A história de um homem que, no sertão do Piauí, luta contra o mundo cíclico e obsessivo de violência em que se encontra preso.

7 – QUANDO PAREI DE ME PREOCUPAR COM OS CANALHAS / Direção: Tiago Vieira / São Paulo / 12 anos / 15 min / Ficção

João Carlos se acha politizado, mas começa se dar conta de que vem se tornando tão chato quanto os taxistas da cidade. Enquanto esse fantasma o persegue e uma crise de relacionamento o leva ao fundo do poço, um surto de lucidez faz com que tome a decisão mais importante de sua vida. Se alienar.

8 – TOCANDO MEU DESTINO / Direção: Dandi Queiroz; Juka Morgado / São Paulo / Livre / 15 min / Doc

Sua maior referencia é Luiz Gonzaga. Um documentário da vida de um artista e instrumentista, Lulinha Alencar, que por influencia do seu pai e junto ao seu talento parte para a carreira musical. Situações, dificuldades, reconhecimento artístico, encontro com o seu publico, uma forte emoção em seu testemunho, onde o mais importante é, sempre, ir tocando o destino.

MOSTRA COMPETITIVA REGIONAL CURTA PARÁ

1 – CASA VELHA / Direção: Wesley Rodrigues e  Luiza Chedieck / Pará / Livre / 8 min / Ficção

Algumas pessoas têm casas. Outras, pertencem a casa. Aristides cresceu e passou toda sua vida na mesma casa velha. Apegado aos seus objetos e aos hábitos solitários e ranzinzas, ele acredita que nada pode mudar a rotina implacável. O destino intervém e bate a porta a notícia de que há alguns anos o IPTU do imóvel está irregular. É pagar agora, ou sair de lá e viver os o dias que que lhe restam em um asilo. Ele vive para ver o que vai acontecer.

2 – CONSERTO / Direção: Anselmo Gomes e Edivaldo Moura / Pará / 10 anos / 7 min / Ficção

As dúvidas e as consequências das escolhas que um garoto deve tomar, diante das dificuldades de aceitação e da violência.

3º Dia – 7 de Julho (Quinta-feira)

MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL CURTA PARÁ

1 – A FUGA / Direção: Douglas Alves Ferreira / São Paulo / Livre / 10 min / Animação

No antigo Egito,o exército Romano está conduzindo seus mais recentes prisioneiros de guerra pelo deserto. Inconformado um menino tenta fugir de seus captores

2 – A PRISAO DAS ALMAS / Direção: Erik Medeiros / Paraíba / 18 anos / 8 min / Ficção

Seis viva almas estão presas entre quatro paredes cujas saídas foram lacradas definitivamente com tijolos e concreto. Ali dentro, um vendedor oferece instrumentos de tortura. O vampiro aluga os instrumentos para maltratar uma jovem mulher. O homem maltrapilho se revolta, mas, é contido pela arma de eletrochoque de uma guardiã do vendedor. Enquanto isso, o beato clama em orações por misericórdia.

3 – ATÉ A CHINA / Direção: Marcelo Marão / Rio de Janeiro / Livre / 15 min / Animação

Fui pra China só com bagagem de mão. Na China os motociclistas usam casaco ao contrário e os restaurantes servem cabeças de peixe, lagostins e enguias. A funcionária do evento estuda cinema e gosta de filmes de Kung Fu. Comprei pés de galinha embalados a vácuo.

4 – TRANSFORMAÇOES / Direção: Paulo Corrêa / São Paulo / Livre / 9 min / Experimental

Material gravado por 3 meses sem um tema aparente, mas com o conceito de câmera invisível, abordando as transformações de objetos e pessoas no meio urbano. Porque toda história é uma transformação. Toda transformação é uma história.

5 – JANELA / Direção: Paulo Corrêa / São Paulo / Livre / 11 min / Doc

Marli Oliveira da Luz Corrêa sofre de Insuficiência Renal Crônica desde 2003. Seu tratamento de diálise peritoneal influencia a vida de toda a sua família, e vice-versa.

6 – O QUE TERIA ACONTECIDO OU NAO NAQUELA CALMA E MISTERIOSA TARDE DE DOMINGO NO JARDIM ZOOLÓGICO / Direção: Allan Souza Lima e Gugu Seppi / Rio de Janeiro / 12 anos / 15 min / Ficção

Ian é um homem de meia idade obrigado a conviver com a freqüente e incontestável frustração de não ter realizado nenhum de seus sonhos. Um inesperado encontro com Otto acaba por tirar Ian, violentamente, de sua até então constante e imutável zona de conforto.

7 – OS INOCENTES DEVEM SOFRER / Direção: Bruno César e Weslle Fellippe de Araujo / Goiás / Livre / 3 min / Ficção

Uma jovem, um namoro, uma gravidez. E uma saída perigosa. Filme de âmbito social.

8- SALA DE ESTAR / Direção: Pedro Cardoso / Distrito Federal / Livre /  9 min / Doc

Quarta-feira. Futebol na TV. Uma sala de estar, em Brasília, se torna um lugar para um bate-papo sobre futebol, televisão, política e exclusão social. É ali, em plena capital federal, que dois personagens chamam a atenção pela sua condição.

9 – SIMULACRO / Direção: Miguel Moura / Rio de Janeiro / 16 anos / 9 min / Ficção / Nacional

Um homem e sua TV.

10 – TRANSFORMAÇOES / Direção: Paulo Corrêa / São Paulo / Livre / 9 min / Experimental

Material gravado por 3 meses sem um tema aparente, mas com o conceito de câmera invisível, abordando as transformações de objetos e pessoas no meio urbano. Porque toda história é uma transformação. Toda transformação é uma história.

11 – UMA FAMILIA ILUSTRE / Direção: Beth Formaggini / Rio de Janeiro / 10 anos / 19 min / Doc

Conversa entre o Bispo evangélico Claudio Guerra, ex-chefe da polícia civil que assassinou e incinerou militantes que se opunham à ditadura e Eduardo Passos psicólogo militante dos direitos humanos. Suas motivações variam entre o orgulho em ser um cumpridor  de ordens competente, um servo leal da luta contra o comunismo, o prazer de ser temido e o amor ao poder e ao dinheiro. Ora é um cristão arrependido ora um assassino orgulhoso de seu trabalho.

MOSTRA COMPETITIVA REGIONAL CURTA PARÁ

1 – CATADORES DE SONHOS / Direção: Homero Flávio e Ursula Vidal / Pará / Livre / 22 min / Doc

No segundo maior lixão a céu aberto do Brasil, um grupo de catadores decide enfrentar a decisão do Estado Brasileiro de fechar os lixões do país. Na tentativa de garantir o acesso de mais de mil e 800 pessoas ao seu local de trabalho e único meio de sustento, os catadores do Aurá fazem um dramático protesto de 24 horas. O documentário registra a luta desses catadores, protagonistas de um momento histórico que mudou a agenda da política nacional de resíduos sólidos no país.

2 – LUGAR NENHUM / Direção: Fillipe Rodrigues / Pará / Livre / 12 min / Ficção

Um homem acorda sem saber onde está e nem como foi parar ali.

Ele caminha por bosques e florestas em busca de respostas e encontra outras pessoas que, pouco a pouco, revelam o que é aquele lugar e como ele chegou lá.

4º Dia – 8 de Julho (Sexta-feira)

MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL CURTA PARÁ

1 – CARTAS DO DESTERRO / Direção: Coraci Ruiz e Julio Matos / São Paulo / Livre / 16 min / Doc

Oksana é armena nascida no Arzebajão, de onde foi expulsa aos 14 anos, quando a União Soviética se desmantelou e a perseguição ao seu povo começou; Salamu é saharaui, mas sua família fugiu do Sahara Ocidental por causa da invasão marroquina em 1975, e assim ele nasceu nos campos de refugiados de Tindouf, na Argélia. Ambos vivem em Londres, cidade que abriga milhares de imigrantes e refugiados de diversas partes do mundo. Neste filme, foram convidados a escreverem cartas contando a sua história.

2 – DIAS E DIAS / Direção: Getulio Ribeiro e Melise Fremiot / Rio de Janeiro / 10 anos / 18 min / Ficção

Entre Fotografias, textos e sonhos, existe o tempo.

3 – EU SOUP / Direção: Caroline Neumann, Ivan Chiarelli e Victor Negri / São Paulo / Livre / 7 min / Experimental

Sendo o humano um poço fundo, um redemoinho móvel; os humanos, uns infinitos portáteis, uns pontos, como é que faz com tantos de nós se movendo juntos (e não tão juntos)?

Para transportar grandes quantidades de seres humanos, utilizam-se tubos: subterrâneos, terrestres ou voadores; traçam-se rotas; determinam-se linhas.

Com alguma velocidade, pontos se transformam em linhas. Com algum calor, em sopa.

4 – FORA DE QUADRO / Direção: Txai Ferraz / Pernambuco / 12 anos / 21 min / Doc

As histórias de vida do pedreiro azulejista Alberto, da professora Vânia, da empregada doméstica Chica e da estudante Rob. Pessoas comuns, assim como você.

5 – MAIS UMA HISTÓRIA / Direção: Allan Souza Lima / Rio de Janeiro / 12 anos / 18 min / Ficção

Gabriel é um jovem de dezessete anos, que espera, após um súbito mal-estar que lhe acarretara uma internação, o diagnóstico que pode mudar sua vida. Contando com o apoio de sua mãe Ilda, seu irmão Fábio, a enfermeira Lisa e o médico que o atende, ele se vê refém de seus próprios temores, num lento e interminável jogo de sensações, onde o medo, a impaciência, a esperança e a raiva igualmente se revezam.

6 – O SEGREDO DA FAMÍLIA URSO / Direção: Cíntia Domit Bittar/ Santa Catarina / 12 anos / 20 min / Ficção

1970, ditadura militar brasileira. Geórgia, uma menina de 8 anos, é proibida de entrar no porão de sua casa, onde costumava brincar. Longe dos olhos dos pais e da velha babá, Geórgia encontra a porta destrancada: há alguém lá dentro.

7 – SANTA ROSA / Direção: João Paulo Palitot / Paraíba / 12 anos / 23 min / Ficção

Não soube jamais se na verdade havia esquecido ou se foi a vingança final de sua vida.

8 – UOTIZAP / Direção: Marcelo Branco / Minas Gerais / Livre / 1 min  / Animação

Tudo o que Uótizap queria era a atenção de seu pai, que só tinha olhos para o seu smartphone.

MOSTRA COMPETITIVA REGIONAL CURTA PARÁ

1 – A ESPERA / Direção: Andreev Veiga / Pará / Livre / 7 min / Experimental

Diante do mar – a imagem/metáfora do tempo, que a tudo se impõe – uma cadeira arde em chamas e não se consome.

O homem diante e dentro da vida, do tempo; que parece sempre esperar, resiste. Todos os sonhos, crenças, arte, projetos e demais fluxos humanos são modos de dar sentido à vida, de não se consumir na angústia que é experiência da vida dentro do tempo: fadada ao inevitável fim, porém a condição humana guarda a inabalável resistência do próprio homem contra o tempo. Condição que se renova à cada homem que, quando entra no mundo, renova o ciclo de “arder”, “esperar”, resistir.

2 – HACKER / Direção: Rafael B. Silva / Pará / 12 anos / 13 min / Ficção

Bruno é um vlogger polêmico, se envolve em um perigoso escândalo político ao revelar na internet provas recebidas através de uma pessoa desconhecida. Em tempos de copa do mundo e eleições, Bruno terá que jogar pela própria vida.

3 – TONS BICENTANARIOS / Direção: San Marcelo / Pará / Livre / 3 min / Doc 

Fundada em 1798, por escravos da Vila de Bragança no Pará, a Marujada de São Benedito e uma tradição religiosa e cultural dos bragantinos. O minidoc mostra um pouco desta festa cheia de cores, em preto e branco.